Vice-governador é apontado como principal pivô da extinção da SEPED, ‘Ninguém quer saber de deficiente’

Amazonas – A Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SEPED), extinta em 2019 pelo governo de Wilson Lima (PSC), foi um órgão que possibilitou a acessibilidade e inclusão social de minorias “ignoradas” pela sociedade.

A proposta inicial era que a secretaria possibilitasse a aproximação de PCD’s (Pessoas com Deficiência) com o Governo do Estado, porém o vice-governador Carlos Almeida (PTB), de acordo com informações, se sentiu incomodado com a “popularidade” do órgão.

Fontes que trabalharam internamente com Carlos Almeida, em entrevista exclusiva ao Portal Baré, informaram que o vice-governador passou a ver a SEPED como um “problema” e disse que “Ninguém quer saber de deficiente, e que isso não gera dinheiro“.

Ainda segundo informações dos bastidores da política, Carlos Almeida se sentiu incomodado com a então secretária Viviane Lima, por considerar que sua popularidade dentro do órgão poderia ser um “problema político”, já que, o vice-governador queria que tal popularidade fosse voltada para sua amiga, a defensora Carol Braz.

Na época, grupos e representantes de movimentos da causa da pessoa com deficiência e simpatizantes ficaram revoltados com o Carlos Almeida, que segundo informações, queria a todo custo a extinção do órgão.

Vamos perder espaço na era da inclusão. Não podemos deixar isso acontecer. Nossa classe estará unida para permanência e manutenção da Seped”, disse o coordenador estadual do Movimento de Reintegração das Pessoas Atendidas pela Hanseníase (Morhan), Pedro Borges, na época em que a extinção do órgão era cogitada.

Vice quis “mandar” mais que o próprio governador

Isolado, Carlos Almeida vem sendo visto com olhares negativos dentro e fora do governo, ainda mais quando a Polícia Federal realizou operação de busca e apreensão em endereços ligados ao vice-governador por suspeita de desvio de dinheiro público.

Conforme a entrevista, durante reuniões com membros do primeiro escalão governo, Carlos Almeida esperava a saída de Wilson Lima para poder articular as secretarias de acordo com seus próprios interesses.

Atualmente, a SEPED está “abandonada” e grande parte do público que dependia do órgão para realização de atividades ficou desassistido.

A reportagem tentou entrar em contato com o vice-governador, mas até o fechamento da matéria não houve nenhum retorno

Fonte: Portal Baré

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui