Assembleia Legislativa do AM repudia agressões e manifesta apoio à deputada Joana Darc

A agressão sofrida pela deputada Joana Darc (União Brasil), na noite da última terça-feira (22), enquanto defendia uma amiga vítima de importunação sexual, foi repudiada por todos os parlamentares presentes na sessão plenária de quarta-feira (23), da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam).

A defesa entorno de Joana e demais vítimas do importunador, reuniu discursos das bases de situação e oposição. Falando aos colegas, Joana Darc, narrou os momentos de terror que viveu ao lado das amigas, enquanto comemorava o aniversário de uma delas.

“Hoje, vim pedir apoio. Vim pedir que se unam a minha voz, para não deixar que esse seja mais um caso, onde mulheres são desrespeitadas e que acaba em nada”, disse, pedindo que a Comissão da Mulher e Procuradoria do Poder Legislativo se unam aos movimentos jurídicos que pedem à prisão preventiva do importunador identificado como Adalberto Simão Ariano Júnior.

Além de ser agredida fisicamente, como comprovam imagens internas do circuito de segurança do restaurante, onde o fato ocorreu, a parlamentar também teve sua condição política atacada, assim como o próprio Poder Legislativo.

“Ele atacou uma mulher, mãe, cidadã e deputada. A deputada mais votada da história do Amazonas. Quando me atacou, ele também atacou esta Casa”, frisou Joana Darc.

Apoio na Aleam

Presidente da Assembleia Legislativa, o deputado Roberto Cidade (União Brasil), se manifestou favorável a convocação dos agressores, para que eles expliquem as manifestações desrespeitosas a parlamentar e ao Poder Legislativo.

“Como autoridade parlamentar, convido os dois a virem aqui na Assembleia para eles verem que aqui, nós defendemos o povo e que eles têm que respeitar as mulheres e os parlamentares. Tenham a certeza de que não vai ficar impune, no que depender de mim, irei abraçar essa causa e, por meio da Comissão da Mulher, iremos caminhar junto com a deputada Joana Darc, para que eles paguem, perante a justiça, pelo o que eles fizeram”, pontuou o parlamentar.

A deputada Terezinha Ruiz (PL), também se solidarizou com o caso. “Me solidarizo com a deputada Joana Darc e com suas amigas vítimas desses dois homens. Uma atitude machista, de uma pessoa que acha que pode fazer tudo. Um ato de grosseria e de mau caráter. Pode contar com a Comissão da Mulher, que vai tomar providências para que a justiça seja feita e as leis sejam cumpridas”, afirmou.

Serafim Corrêa (PSB) por sua vez, pediu mais respeito pelas mulheres. “Tem que haver respeito pelas mulheres, tem que haver respeito pelo ser humano. Nada justifica qualquer agressão e nem assédio sexual para quem quer que seja”, disse.

Indignado, o deputado Belarmino Lins (PP), disse que é preciso punir com rigor os envolvidos nas agressões.

“Para que sirva de exemplo para que não aconteça mais”, disparou Lins. Para selar o apoio, uma nota de repúdio foi assinada pelos 24 parlamentares da Casa.

Mulher de Coragem

Ao assistir os vídeos, que provam o caso, o deputado Carlinhos Bessa (PV), disse que Joana Darc é uma mulher de coragem.

“Parabenizo à deputada Joana Darc por proteger sua amiga, de fazer a denúncia e de trazer o ocorrido à público. A sua coragem dá um grande significado a todas as mulheres que precisam ter essa coragem e fazer com que as pessoas que cometem esse tipo de ato sejam punidas. Devemos ter muito respeito pela mulher, lembremos inclusive, que todos nós, homens, viemos de uma mulher”, destacou Bessa.

Solidariedade

A bancada de oposição, por meio do deputado Wilker Barreto (Cidadania), também se manifestou solidária com a deputada Joana Darc e sua colega, incentivando a divulgação do fato à imprensa.

“Sou solidário à deputada Joana Darc que por muito pouco não foi gravemente machucada em virtude da força que ele comete a agressão, assim como para com sua amiga que foi importunada sexualmente. A detenção desses agressores precisa ser amplamente divulgada, para que seja pedagógico, para que haja punição. Se não punir, situações como essas irão continuar existindo. Manaus é uma cidade acolhedora, mas não é terra sem Lei não, que o cidadão chega aqui e trata as mulheres com desrespeito. Apoio totalmente essa Casa Legislativa para que acompanhe os fatos até que os cidadãos sejam punidos”, apontou Wilker Barreto.

 

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui